Semente, óleo ou farinha? Escolha a versão ideal da linhaça para a sua dieta

Ao optar pelos alimentos produzidos do linho, não é possível falar em melhor ou pior, afirma o livro “A Dieta da Linhaça”, lançado pela revista SAÚDE da Editora Abril. É muito importante levar em conta o objetivo de cada pessoa e, principalmente, de que maneira a linhaça será consumida.

A Linhaça (Linum Usitatissimum L.) é uma semente rica em fibras nas formas solúveis e insolúveis promovendo um melhor funcionamento intestinal, além de conter gorduras do tipo poli-insaturadas, com destaque para o ácido alfa-linolênico (ALA), que é um precursor dos ácidos graxos da família ômega 3 e que irá se transformar em EPA e DHA (ômega 3 que exercem funções no nosso organismo) com a ajuda de alguns micronutrientes.
A Linhaça (Linum Usitatissimum L.) é uma semente rica em fibras nas formas solúveis e insolúveis promovendo um melhor funcionamento intestinal, além de conter gorduras do tipo poli-insaturadas, com destaque para o ácido alfa-linolênico (ALA), que é um precursor dos ácidos graxos da família ômega 3 e que irá se transformar em EPA e DHA (ômega 3 que exercem funções no nosso organismo) com a ajuda de alguns micronutrientes.

Siga as dicas para escolher a linhaça ideal para o seu caso:

Semente 

A casca grossa da semente de linhaça tem a função de proteger e preservar todos os nutrientes do interior da semente. No entanto, ela mantém essas substâncias tão bem guardadas que fica difícil até para o nosso organismo quebrar a barreira que leva á parte mais nobre do alimento.

Você pode misturar semente direto em iogurtes, saladas, sucos e vitaminas, além de acrescentá-la à massa de pães e bolos. Mas fica uma sugestão: mastigue bem para facilitar o acesso ao recheio.

Óleo 

Não espere por um sabor parecido com o do azeite de oliva. Amarelado, o óleo de linhaça tem um gosto mais para o amargo. A grande vantagem dele está na quantidade de gorduras benéficas, cuja concentração é significativamente maior do que na semente e na farinha. Já o ponto negativo do óleo é a ausência de fibras.

Para acrescentar o óleo de linhaça ao cardápio, você pode usá-lo na salada ou mesmo em um prato quente. Basta um fio para temperar.

VEJA  8 erros da alimentação pós-treino que minam seus ganhos

Farinha 

Atualmente, existem três tipos de farinha de linhaça disponíveis: a marrom integral, a dourada e a marrom desengordurada. Consumir diariamente até 30 gramas (ou quatro colheres de sopa) de qualquer uma delas pode trazer benefícios para a saúde. Todas reduzem o índice de massa corporal, afinam a cintura e varrem as gorduras dos vasos.

Para consumir a farinha, o ideal é triturá-la em casa. Além de pagar menos, você não perde as gorduras do bem. Mas, se optar pelas industrializadas, não se esqueça de, pelo menos, armazenar o produto em um recipiente bem fechado e dentro da geladeira, para que os nutrientes se mantenham intactos.

E aí, já fez sua escolha?

Fonte: mdemulher.abril.com.br

(Visitado 176 vezes, 1 visitas hoje)