Probióticos para praticantes de esportes

Os probióticos são bactérias e leveduras (tipo de fungo unicelular) que, quando ingeridas vivas, trazem benefícios ao organismo humano.

Ao contrário de espécies de micro-organismos que são danosos e causam doenças, os probióticos ajudam o corpo humano a desempenhar suas funções vitais.

Assim, seu consumo regular ajuda o funcionamento intestinal e ainda fortalece o sistema imune, ajudando a prevenir doenças, gripes e resfriados.

Eles desempenham papel fundamental para a manutenção da saúde e função intestinal, auxiliando na digestão e absorção de nutrientes presentes nos alimentos ingeridos e na produção de vitaminas.

Simfort da Vitafor é um mix de probióticos (micro-organismos vivos) em sachês que traz diversos benefícios para a saúde e contribui para uma microbiota intestinal saudável.

Alguns fatores como tipo de dieta, genética, idade, estilo de vida, uso de medicamentos e estresse, podem influenciar na composição natural de bactérias e fungos do corpo e assim um desequilíbrio dessa flora pode levar ao desenvolvimento de doenças, abrindo espaço para multiplicação de micro-organismos “maus”, patogênicos e perigosos.

Apesar de estarem naturalmente presentes no nosso corpo, os micro-organismos probióticos passaram a ser estudados e empregados em uma série de produtos, além de poderem ser ingeridos na forma de suplementos alimentares.

TIPOS DE PROBIÓTICOS

Lactobacilos: São os mais comuns, principalmente em iogurtes e produtos fermentados. Abrangem mais de 50 espécies.

Podem auxiliar no controle de doenças gastrointestinais, como a diarreia, podem melhorar a digestão e absorção de nutrientes, intolerância à lactose, doenças vaginais provocadas por bactérias, infecções respiratórias, e da pele, como eczemas, acne.

Bifidobactérias: Podem ser benéficas para pacientes com Síndrome do Cólon Irritável, melhorando sintomas como dor, desconforto e inchaço.

Também são encontradas em alguns laticínios.

Leveduras: Ao contrário dos outros grupos que são bactérias, as leveduras são fungos unicelulares e a única espécie que atua como probiótico é a Saccharomyces boulardii.

VEJA  Ovo de Páscoa, cacau e whey protein. Isso pode!

Seus benefícios estão relacionados desde a melhora da acne, redução de efeitos colaterais no tratamento de H. pylori que causa gastrite, até diarreias associadas ao uso de antibióticos ou adquiridas em viagens.

Estreptococos: A espécie S. thermophilus produz grandes quantidades da enzima lactase, o que pode ajudar pessoas que possuem intolerância à lactose, uma vez que o organismo humano não produz essa enzima, gerando problemas para algumas pessoas quando ingerem alimentos contendo este carboidrato.

PARA QUE SERVEM OS PROBIÓTICOS?

  • Combater doenças intestinais, como colite, síndrome do intestino irritável, doença de Chron e inflamação intestinal.
  • Combater a candidíase, hemorroidas e infecção urinária.
  • Melhorar a digestão e diminuir a azia.
  • Aumentar a absorção de alguns nutrientes, como vitamina B ou metionina.
  • Aumentar a produção de macrófagos, que são células de defesa do organismo.

NUTRIÇÃO ESPORTIVA E PROBIÓTICOS

Na nutrição esportiva os probióticos estão se tornando cada vez mais presentes entre os suplementos nutricionais para atletas e praticantes de atividades físicas.

Além dos benefícios para a flora intestinal e sistema imunológico, o consumo de suplementos ou alimentos com probióticos pode contribuir para o desempenho de atletas, melhorando a carga de treinamento e reduzindo o risco de doenças respiratórias.

Os probióticos podem reduzir a sensibilidade a doenças infecciosas e garantir uma boa absorção dos nutrientes, melhorando o desempenho.

A disbiose é a alteração na microbiota intestinal caracterizada por disfunção colônica, na qual há um predomínio de bactérias patogênicas.

Esse distúrbio pode provocar mudanças fisiológicas no ambiente intestinal, autoimunes, metabólicas e alergias, interrompendo as funções da microbiota.

A microbiota intestinal humana é composta de aproximadamente 100 trilhões de bactérias envolvendo mais de mil espécies e relações de simbiose com o organismo.

Ela auxilia e contribui para o metabolismo de forma geral, exercendo importante função em converter o alimento em nutriente e energia.

VEJA  Cálcio, te abandona na velhice?

A disbiose é frequentemente caracterizada por sintomas como arrotos, inchaço, flatulências, distensão abdominal, cólicas e diarreias.

O desconforto gastrointestinal durante o exercício pode piorar o desempenho, forçando os praticantes a reduzirem a intensidade ou parar o exercício.

Durante o exercício também pode ocorrer translocação de bactérias do lúmen intestinal para a circulação, que por sua vez pode induzir uma infecção sistêmica e um aumento adicional da temperatura corporal.

O consumo de alimentos ricos em proteína pode aumentar a produção de metabólitos de bactérias potencialmente nocivas. Estima-se que os indivíduos habituados a consumir cerca de 100g de proteína por dia podem ter 12% dessa quantidade intacta no cólon, ou seja, 12g de proteína por dia.

Proteínas não digeridas são fermentadas pela microbiota colônica, o que resulta nos produtos finais de ácidos graxos de cadeia curta, ácidos graxos de cadeia ramificada e metabólitos potencialmente prejudiciais como amônia, sulfeto e indóis.

O consumo de carboidratos de alto índice glicêmico aumenta a fermentação bacteriana e a concentração fecal de ácidos biliares totais e secundários no cólon. Algumas bactérias intestinais utilizam ácidos biliares como substrato e, portanto, qualquer aumento de sua produção acarretará em vantagem competitiva para este tipo de bactéria.

Estratégias para minimizar a disbiose intestinal e a inflamação durante o exercício podem ajudar a reduzir o desconforto gastrointestinal, reduzir a temperatura e melhorar o desempenho do exercício.

A suplementação com probióticos pode ser benéfica em indivíduos que realizam exercícios regulares e intensos, beneficiando o intestino através dos seguintes mecanismos: aumento da secreção de mucina e imunoglobulina, inibindo o crescimento excessivo de bactérias patogênicas e competindo com bactérias patogênicas para ligação em mucinas e ou células epiteliais.

Os benefícios não são limitados ao trato intestinal, mas também incluem a melhora do metabolismo sistêmico de doenças como diabetes tipo 2 e doenças cardiovasculares, doenças imunes como dermatite atópica e doença inflamatória intestinal.

VEJA  Consumir carboidrato e proteína pós treino ajuda na recuperação muscular

Um estudo realizado com 10 corredores apontou um aumento moderado do tempo de fadiga em condições quentes com suplementação probiótica, foi observado melhora na permeabilidade intestinal e redução do desconforto gastrointestinal.

Atualmente já sabemos os benefícios que temos em aliar atividade física e alimentação balanceada, além de maior promoção a saúde, melhora da qualidade de vida, redução de peso corporal, também podemos salientar os avanços que a nutrição esportiva já descobriu como melhora de rendimento, redução de tempo em provas, aumento de cargas e melhora de performance esportiva.

(Visitado 195 vezes, 1 visitas hoje)