Efeito Platô, como sair dele?

Chega uma hora em que o ponteiro da balança estaciona, os quilos não vão embora, o corpo não muda. Esse efeito acontece quando fazemos uma dieta e depois de algum tempo nosso organismo reage diminuindo o metabolismo como forma de defesa. Quando isso acontece é hora de mudar a estratégia, modificando alguns hábitos e gerando então uma “guerra” contra o efeito platô. Veja como:

Beba chá, muito chá 

O verde e o branco são ricos em catequinas, substâncias antioxidantes que aceleram o gasto energético. Além de acelerar o metabolismo, os chás também facilitam a digestão. E mais: protegem o coração, pois diminuem o colesterol ruim (LDL) e fortalecem as artérias.

Coma mais 

Mas sem exageros! Após alguns meses de dieta, o organismo tende a se acostumar com o aporte menor de calorias e passa a encarar o cardápio magrinho como alimentação normal. Resultado: o organismo economiza no metabolismo para se adaptar a esse novo patamar calórico e… você para de emagrecer. A solução, portanto, é comer mais — um pouco mais, não custa repetir. Vale elevar o seu menu em 200 ou 300 calorias, no máximo. E por 15 dias apenas. Depois, volte à dieta anterior.

Mude a composição da dieta 

O cardápio que contempla vegetais, carboidratos (de preferência integrais), proteínas e gorduras (do bem!) continua importantíssimo. O que você tem a fazer é mudar a porcentagem dos ingredientes para dar uma arrancada na queima de calorias. Se você já vem apostando bastante em verduras e legumes, experimente aumentar um pouco mais as proteínas magras (como carnes magras, leite e derivados desnatados, assim como whey protein). Elas demandam maior queima de calorias para serem metabolizadas. O organismo gasta, em média, 25% das calorias da proteína para digeri-la e assimilá-la. O que é um feito e tanto. No caso da gordura, apenas 3% de suas calorias são consumidas nesse processo!

Cheque o que anda comendo

Poucos gostam, têm tempo ou paciência de fazer um diário alimentar. Mas, se o emagrecimento deu uma estacionada, vale a pena colocar na ponta do lápis o que você vem comendo nos últimos dias, tintim por tintim. E isso vale para os marmanjos também. Muitas vezes, a gente só se dá conta de que anda beliscando mais do que deveria depois que checa os deslizes alimentares anotados em detalhes.

Treine diferente 

Assim como acontece com a dieta, o corpo também se acostuma com a ginástica e passa a gastar menos calorias para executá-la. E aí, trocar de modalidade chacoalha e acelera o metabolismo. Ou, se preferir, peça ao professor da academia que altere a intensidade, a quantidade e o ritmo do treino. Se possível, insira um termogenico como forma de aumentar o metabolismo e queima de gordura.

Capriche na musculação

Exercícios de força criam músculos. E músculos são tecido vivo, que queimam calorias diferentemente da gordura. Logo, isso faz o metabolismo trabalhar mais rápido, o que leva ao aumento do gasto calórico diário. Quem pratica musculação regularmente substitui gordura por massa magra. Para aqueles que já estão acostumados a puxar ferro, aumentar a carga favorece um gasto energético maior.

Fonte: Texto adaptado Revista Saúde

(Visitado 355 vezes, 1 visitas hoje)