Comida enlatada faz mal para a saúde?

Os alimentos em lata não são apenas uma forma de conservar certos ingredientes de uma ótima forma, mas também se converteram em uma alternativa simples e rápida para ingerir certos produtos que algumas pessoas não costumam adquirir frescos, como é o caso do atum, certos moluscos, as sardinhas, etc. Mas a grande pergunta é: a comida enlatada faz mal para a saúde? Com quanta frequência podemos ingeri-la? Oferecem-nos bons valores nutritivos?

Comer muitos alimentos em lata pode afetar a minha saúde?

Quando se trata de alimentação tudo em excesso faz mal, e os alimentos enlatados não são a exceção. O processo de enlatados e conservação dos alimentos pode alterar as propriedades do mesmo, isso em alguns casos traduz-se em um valor maior de nutrientes como, por exemplo, o ômega 3 no caso dos peixes, mas ao mesmo tempo, reduz a presença de vitaminas e nutrientes que obteríamos ao comer esse alimento fresco.

Este é apenas um dos aspectos a considerar quando comemos enlatados, mas não é o único. Alguns dos aspectos negativos da comida em lata que podem afetar a nossa saúde são:

• Os alimentos enlatados contam com um maior nível de minerais, especialmente de sódio ao utilizar o sal como conservante. Ingeridos em excesso poderiam aumentar nossa pressão arterial, o que pode implicar em problemas cardíacos e uma maior retenção de líquidos. Os enlatados com pouco sódio são a resposta a este problema.

O Óleo de Linhaça é composto por ácidos graxos essenciais: ácido alfa-linolênico ou ômega-3, ácido linoleico ou ômega-6 e ácido oléico ou ômega-9. Além de ricos em ácidos graxos essenciais, os óleos de semente de linhaça contêm magnésio e potássio.
O Óleo de Linhaça é composto por ácidos graxos essenciais: ácido alfa-linolênico ou ômega-3, ácido linoleico ou ômega-6 e ácido oléico ou ômega-9.
Além de ricos em ácidos graxos essenciais, os óleos de semente de linhaça contêm magnésio e potássio.

• Uma das vantagens dos peixes e moluscos enlatados é que o seu conteúdo de ômega 3 costuma ser maior do que nos produtos frescos. Isso se deve a que se acrescenta azeite à conservação, o que potencializa a presença destes ácidos graxos essenciais. No entanto, não podemos esquecer que isso significa mais gordura, mais colesterol e mais calorias, o que não é indicado para todo mundo. Se quer evitar tanta gordura, deverá optar por produtos sem azeite.

VEJA  Churros assado saudável

• Quando se trata de frutas enlatadas, as mesmas costumam vir acompanhadas de caldas, o que aumenta a presença de açúcar nas mesmas, convertendo-as em uma opção não muito saudável e que também não é apta para todos.

• Se optarmos por alimentos preparados em lata, eles contribuem com grandes quantidades de sal, açúcar e calorias, por isso não é recomendável abusar destas opções.

Ainda que sejam uma opção rápida, a realidade é que os enlatados não podem substituir em propriedades nutricionais os alimentos frescos, por isso devem se converter em uma alternativa eventual, e não na única opção.

Quantas latas posso comer por semana?

Sempre que não tiver problemas de hipertensão arterial, colesterol elevado, retenção de líquidos ou diabetes, no caso das frutas em conserva, poderá consumir entre 2 a 3 produtos enlatados por semana. Escolha de preferência aqueles com pouco sal, que não estejam conservados em óleo e que, se tiverem calda, que seja retirada previamente antes de consumir.

Os benefícios dos alimentos enlatados

Ainda que existam muitos mitos em torno dos enlatados, a realidade é que este tipo de alimentos também conta com benefícios, pois em muitos casos são uma alternativa para ingerir alimentos que, de outra forma, provavelmente não consumiríamos. Mas, assim como ocorre com qualquer outro ingrediente, ingeri-los em excesso pode afetar a nossa saúde.

O consumo de alimentos em lata conta com benefícios como:

  • Oferecer-nos a possibilidade de ingerir ingredientes que, devido à disponibilidade em nosso país ou da estação, é possível que não pudéssemos consumi-los de outro modo. Este é o caso de frutas como o abacaxi ou os pêssegos enlatados, e também de produtos como os berbigões, as sardinhas ou o atum.
  • O seu processo de elaboração faz com que os alimentos possam ser conservados e se aproveita por mais tempo, fazendo com que o seu uso seja bem mais amplo.
  • No caso dos peixes gordos enlatados, contam com um valor de ácidos graxos ômega 3 e vitamina B3 maior que os produtos em sua apresentação natural.
  • São uma alternativa rápida quando desejamos preparar um prato que não leve muito tempo; no entanto, é importante consumi-lo de forma moderada se queremos garantir o nosso bem-estar e adequada nutrição.
VEJA  7 frutas que ajudam a combater a impotência sexual

Não esqueça de consultar um profissional da área, ele conseguirá te indicar quais melhores alimentos.

(Visitado 1.307 vezes, 1 visitas hoje)